Primavera chegou! E as flores, pássaros, árvores parecem acordar de um longo sono invernal. Aqui no Canadá nota-se mais porque praticamente toda a neve já derreteu, ainda que o dito popular reze que até o dia 20 de maio todavia há perigo de uma friagem. Sou um pouco descrente pois com o aquecimento global, cada ano parece-me que os invernos por aqui são mais amenos. Temporada de jardinagem, de horta, de trabalhar a terra. Que bom! Está virando moda cada qual ter um espaço, ainda que pequeno, para plantar. Significa que a presença verde está sendo reclamada nos centros urbanos e tomamos conciência de que não há outro caminho para mudar o quadro atual da Terra. Faço parte de uma horta comunitária em pleno centro de Edmonton aonde cada um paga uma taxa anual e dentro de um espaço determinado, pode semear o que quiser e consumir os resultados. Este será meu segundo ano de participação e é uma experiência que recomendo a todos. Sentir que do fruto do seu trabalho, saiu algo que você pode comer sem medo é recompensador. Sentia a necessidade de me reconectar e nada melhor do que pôr os dedos na terra. Perdemos o controle sobre o que comemos e de onde vem o que comemos e sinto, ao ter a possibilidade de consumir verduras plantadas por mim, é um pouco retomar o poder sobre meu corpo e minha vida.

Este ano a prefeitura da cidade em que vivo, aprovou um projeto piloto que permite aos residentes, de certas áreas, criar galinhas no seu próprio quintal. Funciona da seguinte maneira: @ [email protected] consegue uma licença, faz um curso preparatório e consulta a vizinhança para ver se estão de acordo ( nem todo mundo aceita um galo cantando às 5 da manhã). Parece fantástico poder comer ovo fresquinho de conhecida procedência e com o tratamento justo que esses animaizinhos merecem. Ao parecer há uma lista de espera. Parece que pouco a pouco os padrões estão mudando e estamos prestando mais atenção ao nosso redor (ainda há fé na humanidade). Existe uma exigência por qualidade e ética sobre o que pomos no nosso prato, um processo de concientização lento mas seguro.

Mais importante, estamos entendendo que é preciso mudar e já. Não dependemos somente de acordos entre países mas de cada um de nós. Cada um tem a responsabilidade de cuidar desse planeta. Cada um tem a obrigação de amá-lo como se fosse sua própria casa ou família. Não é preciso grandes passos no começo mas pequenos e certos…comece na sua rua, no seu bairro, uma horta comunitaria, por que não?

jardim