Como tudo começou…

Quando era menina, pequenina do tamanho de um botão (te fiz lembrar algo?), viviamos em uma casa grande de uma rua pequena do centro da minha cidade que não era nem tão grande e nem tão pequena. Dona Creusa, minha mãe, costumava nos pedir, ou melhor me pedir (tarefas da filha do meio), para “dar um pulinho” na quitanda e comprar açúcar para fazer o bolo da festinha de aniversário. Sou dos anos 70 quando festinha de aniversário começava cedo, com bolo feito e confeitado em casa e os amiguinhos da rua como convidados. Depois de cantar o parabéns e cortar o bolo, a diversão era conseguir um dos coloridos balões que enfeitavam a casa para o dia do sortudo ou sortuda. Guardo grandes lembranças da minha família e dessas reuniões tão espontaneas e alegres. Gritos, risos, o barulho dos globos estourando, o pedaço de bolo nos pratinhos de papel, o lamber de dedos, os presentes. E a quitanda onde entra nesse conto? A quitanda ou mercearia (depende da região do Brasil em que o [email protected] [email protected] more) é um estabelecimento comercial que vende quase de tudo: frutas, verduras, especiarias, Tabaco, pinga, ovos, e … açúcar! Adorava ir comprar qualquer coisa lá. Corria, rua acima, a nota de cruzeiro (cruzes, faz tempo!) enroladinha na mão suada de menina curiosa e quando entrava naquele mundo de cheiros mezclados de fumo de rolo com farinha de mandioca, de balinhas (tradução: bonbons), de bancos de madeira com a pintura rústica, posso dizer que era feliz!

Um artigo que li já faz algum tempo no El País (26/02/2011) indicava que as experiências que vivemos, bôas ou ruins, durante nossa infância, ficam armazenadas na nossa memória como na caixa-preta de avião, e que por isso são mais difíceis de eliminar – “Às vezes recebo cartões- postais da minha infancia dizendo: lembra-se disso?”, diz o poeta e escritor alemão em seu livro “Previsão do tempo” querendo com sua poesia, mostrar a importancia das nossas vivências na construção da nossa identidade.

Procurei, então, momentos que me indicassem ou explicassem o meu interesse pela cozinha pois, diferente da maioria das histórias que escutamos, pensava em ser desenhista da Maurício de Sousa produções e viver de história em quadrinhos ou pintando telas e nunca entre tachos ou panelas. Na minha “caixa-preta” encontrei os sabores das tardes passadas provando da manga deliciosa do quintal, do feijão de todo dia com temperinho caseiro, do bife acebolado misturado com arroz soltinho, do bolo de fubá ou do pão de queijo com café coado, da bolacha Maria que derretia na minha boca de tão sequinha e do leite fervido na caneca com bastante açúcar mas ainda assim não justificavam o que eu andava buscando.

familia

Com 30 anos, uma profissão diferente da que havia planejado e uma bolsa de estudos, fui morar na Espanha/Madri. Cidade espetacular, cultura e pessoas incríveis mas me sentia só, sem minha família e amigos do Brasil. A partir desse momento, comecei a cozinhar para quem aparecesse na minha frente. No meu espaço sagrado, a cozinha, sentia que podia calar minha mente quase como em um momento meditativo, quando podia “falar” aos outros o quanto sentia falta dos meus, sentia que podia ser tão criativa como quando desenhava e que era feliz, como aquela menina que corria rua acima. Pude então encontrar o que buscava, minha quitanda e a conexão com o que sou.

Nesse espaço, quero compartilhar minhas andanças, receitas e o que mais puder com você [email protected] [email protected] Entre, sente-se e sinta-se à vontade. Vamos tomar um cafezinho com uns biscoitinhos de maizena, fáceis de fazer com essa receitinha:

500gr de maizena- 200 gr de manteiga- 1 lata de leite condensado – um pouquinho de coco ralado (tipo uma mão cheia). Misture tudo muito bem e forme bolinhas dando uma leve achatadinha. Você pode fazer umas marquinhas com o garfo ou um buraquinho com a pontinha do dedo. Fica a seu critério e imaginação. Levar ao forno pré-aquecido 170° por 40 minutos ou até ficar douradinho nas bordas. Recomendo que conheça seu forno! Cada um tem uma personalidade e estilo próprios. Me conta como ficaram!