Os Estados Unidos começaram a atacar alvos jihadistas no Iraque com o bombardeio a artilharias móveis dos extremistas do Estado Islâmico no Norte do país, informou o Pentágono nesta sexta-feira. Os ataques aéreos ocorreram nos arredores da cidade de Irbil, a capital do Curdistão iraquiano, de onde os jihadistas estavam lançando ofensivas contra as forças curdas, afirmou um funcionário do governo americano.

De acordo com o comunicado do Pentágono, dois aviões militares F/A 18 lançaram bombas de 226 quilos de alta precisão, guiadas a laser, sobre uma peça de artilharia móvel dos rebeldes perto Irbil. O porta-voz do Ministério americano da Defesa, almirante John Kirby, disse que o Estado Islâmico tem usado o armamento para atacar forças curdas posicionadas perto da capital curda, onde estão instaladas equipes dos EUA.

O secretário de Defesa americano, Chuck Hagel, afirmou que os militares dos EUA têm dados de inteligência suficientes para isolar os militantes islâmicos e lançar ataques aéreos eficazes, se eles ameaçarem os interesses do país ou dos milhares de refugiados que fugiram para uma montanha próxima. Hagel também ressaltou que mais de 60 dos 72 pacotes de comida e água jogadas por aeronaves chegaram às minorias religiosas iraquianas que fogem dos extremistas do EI.

Caças F/A-18E Super Hornet no USS George H.W. Bush: ataques a alvos jihadistas no Norte do Iraque - Joshua Card / AFP

Caças F/A-18E Super Hornet no USS George H.W. Bush: ataques a alvos jihadistas no Norte do Iraque – Joshua Card / AFP

O ataque marca a segunda fase da operação autorizada pelo presidente Barack Obama, na quinta-feira, contra o avanço do EI. Obama autorizou o envio de ajuda humanitária, em uma primeira fase, e o apoio de aviões de guerra americanos para evitar ainda mais o avanço dos jihadistas na região controlada pelos curdos. O anúncio ocorreu depois de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU convocada pela França.

O presidente americano, no entanto, disse que não iria enviar tropas dos EUA de volta ao Iraque. Obama fez questão de tranquilizar um público cansado da guerra que, após tirar as forças americanas do país no final de 2011, não tinha a intenção de travar outra guerra em solo no local. Mas ressaltou que as recentes conquistas dos rebeldes islâmicos desafiaram suas previsões e aspirações anteriores.

Eu não vou permitir que os Estados Unidos sejam arrastados para outra guerra no Iraque — afirmou Obama em seu discurso na noite da quinta-feira.

 

CONTROLE DA MAIOR REPRESA DO PAÍS

Os jihadistas do Estado Islâmico assumiram o poder da maior represa do Iraque, na cidade de Mossul, informou nesta sexta-feira um porta-voz das forças curdas, que controlavam a instalação até o momento. Com a ofensiva, os extremistas terão a possibilidade de controlar o fornecimento de água e eletricidade em uma ampla área do país. Além disso, a abertura das comportas poderia alagar vastas áreas do país. Com a aproximação dos rebeldes à cidade de Irbil, capital do Curdistão iraquiano, companhias de petróleo começaram a retirar seus funcionários da região.

A instabilidade política no país também se agravou nos últimos dias. Nesta sexta-feira, o principal clérigo iraquiano, o aiatolá Ali al-Sistani, afirmou que os políticos que se agarram a seus postos estão cometendo um “grave erro”. A declaração aumenta a pressão sobre o primeiro-ministro Nuri al-Maliki para deixar sua candidatura para um terceiro mandato.

Em seu sermão semanal, Sistani pediu aos líderes do Iraque que escolham um premier que possa acabar com a crise de segurança instaurada pelos rebeldes do Estado Islâmico.

 
FONTE: O GLOBO / COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS